0800 282 2974

Notícias

Dia_Agua

Dia da Água alerta para o consumo consciente

Neste dia 22 de março, Dia Internacional da Água, a Usina Hidrelétrica Itaocara S.A se une aos esforços positivos de chamar atenção para a importância do uso racional e consciente da água, no campo e nas cidades, principalmente no combate ao desperdício, à poluição de rios, córregos, lagos e açudes e destruição de nascentes.   Criado em 1992 pela Organização das Nações Unidas (ONU), o Dia Internacional da Água, muito mais que uma data de comemorações, tem como proposta sensibilizar para a necessidade urgente de uma mudança de postura “do mundo“ em relação ao uso da água. Em junho de 2010, considerando a gravidade da situação hídrica mundial, a Assembleia Geral das Nações Unidas fez novo alerta com a Resolução A/RES/64/292, que declara a água limpa e segura e o saneamento básico direitos humanos, agora garantidos por lei.   E para quem acha que ainda tem água demais na Terra e que nunca vai faltar, é melhor ficar atento a esses dados: segundo World Resources Institute (ONU), 97,50% de toda a água do planeta está nos oceanos, ou seja, é água salgada e requer tecnologia cara para se tornar potável para o consumo humano; 2,493% é água doce, mas estão armazenadas em áreas de difícil acesso ou estão congeladas; apenas 0,007% da água da Terra são de fácil acesso, encontrados em rios, lagos e pântanos. E uma parte considerável dessa água já está contaminada, poluída pela ação humana e nada própria para o consumo.    

processo_erosivo

Erosões são monitoradas na área da UHE Itaocara I

A Usina Hidrelétrica Itaocara S.A. iniciou a identificação dos processos erosivos na área de influência da usina. Esta ação faz parte do Programa de Monitoramento e Controle de Processos Erosivos, que tem por objetivo identificar, mapear, monitorar e corrigir as erosões pré-existentes, ou seja, que já existem no terreno antes das obras da hidrelétrica. Estas medidas são fundamentais para garantir qualidade e segurança no aproveitamento do solo antes, durante e após as obras.     Nesta fase, a equipe do programa está visitando todas as propriedades que fazem parte da área de influência direta da usina (áreas do futuro reservatório e Área de Proteção Permanente – APP), para realizar a identificação, registro e catalogação de todos os locais que apresentam algum tipo de erosão de solo. Ainda nesta fase estão sendo identificadas as áreas de risco para erosão, ou seja, as que ainda não têm, mas que poderão desenvolver algum tipo de processo erosivo, que serão igualmente registradas, para serem posteriormente avaliadas e monitoradas pela equipe técnica do programa.     Após a identificação e caracterização dos focos erosivos preexistentes, o Programa de Monitoramento e Controle de Processos Erosivos fará a proposição e execução de medidas preventivas e/ou corretivas para os processos erosivos que ficarão próximos ao futuro reservatório.     Todos os processos erosivos estão sendo georreferenciados (localização identificada por GPS), fotografados e serão monitorados periodicamente pelas equipes do programa, que também registrarão os resultados em relatórios para controle e análise. Este programa integra o Projeto Básico Ambiental (PBA), que traz para a região 43 ações ambientais, que fazem parte do processo de licenciamento, coordenado e fiscalizado pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (IBAMA).

6416

Usina identifica e cadastra nascentes, poços e açudes

A Usina Hidrelétrica Itaocara S.A. iniciou as atividades do Programa de Monitoramento dos Fluxos Subterrâneos na área do reservatório da UHE Itaocara I, nos municípios de Aperibé, Cantagalo, Itaocara, Pirapetinga e Santo Antônio de Pádua. Este trabalho é fundamental para identificar possíveis mudanças na acomodação do solo e dos fluxos de água no lençol freático (águas subterrâneas) a partir da formação do lago da usina. O trabalho consiste em traçar o perfil da área antes de represar o rio e garantir, assim, um parâmetro real de comparação e identificação de alterações significativas que ocorram no futuro e mereçam ações corretivas.   Nesta fase do programa a equipe técnica percorre as propriedades para identificar e cadastrar as fontes hídricas como nascentes, poços e açudes existentes na área de influência direta da usina. O programa também fará a identificação e registro do nível de profundidade do lençol freático e da qualidade da água subterrânea. Caberá ainda ao programa, gerar e disponibilizar informações para os moradores sobre a qualidade da água e garantir medidas de solução de problemas caso sejam necessárias, a partir da elaboração de plano de amostragem da qualidade da água subterrânea que deverá ficar pronto durante a implantação da usina.   Ações importantes   O trabalho de monitoramento tanto do nível quanto da qualidade das águas subterrâneas é feito a partir de poços piezométricos (estruturas que possibilitam avaliar a que profundidade do terreno está a água subterrânea, além de servir como ponto de coleta de amostras de água), que serão instalados em pontos da área próxima ao reservatório, para medição do nível do lençol freático e coleta de água subterrânea para análise da qualidade.      

untitled-1

Aedes aegypti – é preciso livrar-se dele!

O Verão está de volta e com ele o calorão, a chuva e o risco de deixar água parada ao ar livre, o que facilmente se transforma em criadouro do Aedes aegypti, o mosquito transmissor da dengue, chikungunhya e zika vírus. Quem não quer adoecer, precisa ficar atento e, pelo menos uma vez por semana, conferir os espaços dentro e fora de casa, trabalho e escola para eliminar qualquer coisa que possa acumular água. Segundo os especialistas, esta é a forma mais segura de impedir que as larvas do mosquito se desenvolvam e cheguem à fase adulta, quando o Aedes aegypti pode transmitir as doenças.   Os números preocupam   De acordo com os dados do Levantamento Rápido do Índice de Infestação por Aedes aegypti (LIRAa), divulgado pelo Ministério da Saúde, em novembro de 2016, de um total de 2.284 municípios pesquisados em todo país, 854 apresentaram situação de alerta e risco para epidemia das três doenças transmitidas pelo Aedes aegypti. Um destes municípios é Santo Antônio de Pádua.   De acordo com o LIRAa, em novembro/16, Pádua foi o único no Estado do Rio de Janeiro classificado como município em situação de risco de surto de dengue, chikungunhya e zika, quando 6,6% dos imóveis visitados apresentavam focos de criadouro do Aedes aegypti.   Ressalta-se que apesar dos demais municípios da área de influência da UHE Itaocara I (Aperibé, Cantagalo, Itaocara e Pirapetinga) apresentarem índices melhores, a situação de alerta serve para toda região!   O levantamento do Ministério da Saúde mostra que houve entre 2015 e 2016, uma diminuição de 5% na taxa de incidência dos casos de dengue, 50% no registro de casos graves e 36% no número de mortes por dengue, mas, mesmo assim, continuam altos. Já em relação à chikungunya, a situação se inverte: foi quase dez vezes maior o número de registros da doença (251.051 casos em 2016, contra 26.435 em 2015; 138 óbitos em 2016, contra seis no ano anterior).   A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) faz ainda um alerta importante para este verão: os casos de chikungunya podem multiplicar no Rio de Janeiro, onde a população teve pouco contato com o vírus e, por isso, não tem imunidade contra a infecção que incapacita o indivíduo com fortes dores nas articulações de joelho, tornozelos, ombros e mãos.   Em relação ao zika vírus, as notificações se tornaram obrigatórias a partir de fevereiro de 2016, quando foram registrados 17.541 casos. No total, foram 208.867 casos em 2.281 municípios brasileiros, com três óbitos confirmados e 16.696 casos prováveis de gestantes contaminadas. Como consequência direta, foram registrados 2.159 casos de microcefalia e outras alterações do sistema nervoso em 725 municípios, além de 3.115 casos investigados e 4.925 descartados em todo país.   Só a fêmea precisa de sangue   O Aedes aegypti, como a maioria dos insetos, se alimenta do néctar e da seiva das plantas, porque são substâncias que contém açúcar que precisam para viver. Mas, para reproduzir, as fêmeas precisam de sangue para a produção dos ovos. Por isso, só elas picam após a fecundação, quando precisam do sangue para desenvolver os ovos. Em geral, três dias após a ingestão de sangue as fêmeas estão prontas para desovar e escolhem as paredes internas dos recipientes, próximo à superfície da água para depositar seus ovos.   Uma fêmea pode infectar muita gente   Em geral, as fêmeas de mosquito sugam uma única pessoa para cada lote de ovos que produzem. Mas no caso da fêmea do Aedes aegypti os cientistas já descobriram que elas podem se alimentar várias vezes em um mesmo ciclo, picando pessoas diferentes. Isto é importante porque, quanto mais vezes e mais pessoas a fêmea picar, maior será a chance de transmitir dengue, chikungunya e zika, caso esteja infectada.   banner-130x100cm-c-copy  

20161217_105711

Arqueologia retorna à área do reservatório

A Usina Hidrelétrica Itaocara S.A. concluiu neste mês de dezembro de 2016 o trabalho de prospecção arqueológica, uma das atividades da fase que antecede o início das obras. As ações da equipe da Arquitec Consultoria Ltda., empresa contratada para executar esta etapa do Programa de Prospecção, Resgate e Monitoramento do Patrimônio Arqueológico, aconteceram em propriedades localizadas na área destinada ao reservatório da usina, nos municípios de Cantagalo, Itaocara, Pirapetinga e Santo Antônio de Pádua.   O que é prospecção arqueológica   O trabalho de prospecção arqueológica é a primeira das três etapas do programa, quando é feita a identificação, mapeamento e classificação dos sítios arqueológicos. É quando as equipes visitam as propriedades previamente identificadas para localizar possíveis áreas que guardam no solo vestígios de civilizações passadas. Este trabalho é fundamental para garantir a preservação do patrimônio arqueológico e histórico da região e cumpre determinação do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), que fiscaliza sua execução.   Exposição exibe resultados   Entre março e junho de 2016, as ações de Resgate Arqueológico (2ª etapa do Programa) ocorreram na área que será destinada ao canteiro de obras, no município de Aperibé. O resultado do trabalho foi apresentado em exposições (3ª etapa do Programa) ocorridas em junho, entre os dias 21 e 22, na sede da usina, em Itaocara, e 23 e 24, no Centro de Convenções de Aperibé.   Próximos passos   Com a finalização da etapa de prospecção na região do reservatório, os próximos trabalhos se concentrarão na realização da etapa de resgate nas áreas que formarão o futuro lago da UHE Itaocara I. Este programa integra o Projeto Básico Ambiental (PBA) do processo de licenciamento ambiental, fiscalizado pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama).  

1sem-titulo

Usina monitora e prevê aproveitamento das macrófitas

Para manter o controle e identificar alterações significativas na proliferação de plantas aquáticas (macrófitas), visando garantir o equilíbrio ambiental do futuro reservatório e rios que contribuirão para sua formação, o Projeto Básico Ambiental (PBA) da UHE Itaocara I prevê a execução do Programa de Monitoramento e Aproveitamento de Macrófitas.   As ações de monitoramento foram iniciadas em 2012 e são necessárias para a realização da comparação entre 3 fases: antes do início das obras, durante as obras e após o enchimento do reservatório. As conclusões desses estudos servirão para identificar, entre outras, os tipos de macrófitas existentes, pontos onde há maior concentração das plantas e futuras medidas mitigadoras e de aproveitamento das mesmas.   Este Programa acontece em paralelo ao Programa de Monitoramento Limnológico e de Qualidade da Água, o que garante também a análise integrada da relação entre a quantidade e os tipos de plantas aquáticas e a qualidade da água.   liminologia-1   Com a fase anterior às obras já concluída, tanto o Programa de Monitoramento de Macrófitas, quando o de Monitoramento Limnológico preveem campanhas trimestrais durante a implantação da UHE e semestrais a partir do enchimento do reservatório. O objetivo é identificar e acompanhar o comportamento das macrófitas aquáticas, monitorando as modificações que possam ocorrer a partir das transformações do ambiente pela implantação e operação da usina, para subsidiar as medidas de controle, caso necessárias.   Para entender as Macrófitas As macrófitas são plantas aquáticas, que tanto podem viver sobre a água, flutuando, quanto submersas total ou parcialmente; podem proliferar nas margens de rios, córregos, lagos, lagoas e reservatórios, mas também fixadas às rochas. São muitas as espécies e têm características bem diversas. Umas são boas para o manancial, porque ajudam a limpar a água consumindo as impurezas e liberando oxigênio; outras nem tanto, por proliferar bactérias que comprometem a qualidade da água, como a cianobactéria, tão comentadas na mídia regional, por conta da suspeita de contaminação do rio Pomba.   Aproveitamento sustentável O Programa de Monitoramento e Aproveitamento das Macrófitas Aquáticas da UHE Itaocara I também prevê medidas para retirada do excesso dessa vegetação e a sua utilização, para não impactar o meio ambiente nem comprometer o funcionamento da usina ou as várias formas de utilização do reservatório pela população.   As macrófitas aquáticas se mostram eficientes na produção de adubos, que tanto pode ser utilizado na recuperação de áreas durante a construção do empreendimento quanto na agricultura da região. Também são utilizadas como componente para alimentação animal, na geração de energia a partir da sua combustão ou mesmo para fabricação de tijolos ou no artesanato. O programa, portanto, prevê soluções sustentáveis, com interferências positivas nas esferas ambiental, social e econômica da região.   Atuação combinada Além da atuação combinada com o Programa de Monitoramento Limnológico e de Qualidade da Água, o Programa de Monitoramento de Macrófitas da UHE Itaocara I tem interface indireta com os Programas de Monitoramento da Ictiofauna (peixes), da Carcinofauna (camarão e caranguejo), do Jacaré do Papo Amarelo e do Cágado de Hogei, além de se relacionar com os programas de Comunicação Social, Educação Ambiental, Subprograma de Educação Ambiental para Trabalhadores, Programa de Monitoramento e Controle de Endemias, de Estímulo a Participação da População e de Gestão Ambiental. Estes programas atuarão para informar e orientar a população, caso ocorra degradação da qualidade da água ou doenças de veiculação hídrica, decorrente da proliferação de macrófitas aquáticas. Tais programas compõem o conjunto de 43 ações ambientais que a UHE Itaocara I desenvolverá na região em conformidade com o processo de licenciamento, coordenado e fiscalizado pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama).   1sem-titulo 2sem-titulo 3sem-titulo    

20161116_194109

Capacitação e entrega de certificados em Cantagalo

A Usina Hidrelétrica Itaocara S.A. e Senai Unidade de Santo Antônio de Pádua realizaram na quarta-feira, dia 16 de novembro de 2016, a cerimônia de entrega de certificados dos cursos de capacitação profissional, realizados em Cantagalo-RJ. A cerimônia, no auditório da Defesa Civil do município, contou com as presenças da secretária municipal de Educação, Fernanda Torres, da Gestora de Assistência Social, Madalena Barde, além dos representantes da UHE Itaocara I, Antônio Netto, e do Senai, Rodolfo Martins.   No total, 101 alunos de duas turmas dos cursos de Técnica de Montagem de Armação para Estrutura de Concreto, três turmas de Técnicas de Reparo de Estruturas e Lançamento de Concreto e uma turma de Técnicas de Execução de Alvenaria de Vedação/Estrutural em Blocos de Concreto receberam os certificados em Cantagalo. Esta foi a quarta cerimônia de encerramento dos cursos de capacitação profissional oferecidos pela usina hidrelétrica, e marcou a conclusão da primeira fase do Subprograma de Formação de Mão de Obra, que será retomado tão logo seja definido o início das obras do empreendimento. A construção da UHE Itaocara I traz para a área de influência 43 ações ambientais que integram o processo de licenciamento, coordenado e fiscalizado pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama).   20161116_192610 20161116_193438 20161116_194109 20161116_194220 20161116_194304 20161116_194402

20161018_192100

Cerimônia marca entrega de certificados em Pádua

A parceria Usina Hidrelétrica Itaocara S.A. e Senai Pádua realizou nesta terça-feira, dia 18 de outubro de 2016, a cerimônia de entrega dos certificados para os alunos que concluíram os cursos de capacitação profissional na sede da unidade em Santo Antônio de Pádua. No total, 180 alunos de 14 turmas, de cinco cursos foram habilitados a receber seus certificados de capacitação em Mecânica de Máquinas Pesadas, Soldagem de Eletrodo Revestido em MAG, Técnicas de Instalações Elétricas em Obras, Técnicas de Montagem de Armação para Estrutura de Concreto e Técnicas de Apoio de Serviços em Obra.   A cerimônia contou com a presença da representante da Secretaria Municipal de Desenvolvimento e Assistência Social de Santo Antônio de Pádua, Lenilda de Sá, do coordenador de geoprocessamento da UHE Itaocara I, Antônio Netto, além dos representantes do Senai Pádua, Gregory Guzowski (gerente operacional), Rodolfo Martins (Coordenador Operacional de Educação) e dos instrutores Fernando Belchior (Elétrica), Alexander Arruda (Solda) e Valdinei Constâncio (Montagem e Apoio em Obras).   Os cursos oferecidos pela parceria UHE Itaocara I e Senai nos municípios da área de influência do empreendimento – Aperibé, Cantagalo, Itaocara, Pirapetinga e Santo Antônio de Pádua – é uma contrapartida da usina para a região e integra o Subprograma de Formação de Mão de Obra, uma das 43 ações ambientais previstas no processo de licenciamento, fiscalizado pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis – Ibama. Desde outubro de 2015, estão sendo oferecidas 900 vagas em 40 turmas de nove cursos de capacitação profissional voltados para construção de grandes empreendimentos.   20161018_192100 20161018_192934 20161018_193438 20161018_193618 20161018_193815 20161018_193947

20161004_200052

UHE Itaocara I e Senai entregam certificados em Aperibé

A Usina Hidrelétrica Itaocara S.A. e o Senai Santo Antônio de Pádua, com apoio da Secretaria de Assistência Social de Aperibé, realizaram no dia 04 de outubro de 2016, a cerimônia de entrega dos certificados de conclusão do curso de Técnicas em Montagem de Andaimes, no Centro de Atenção ao Idoso (CAI).   A cerimônia contou com a presença da subsecretária municipal de Assistência Social, Sônia Lopes, dos representantes da UHE Itaocara I, Antônio Netto e Adalto Rodrigues, e do Senai, Rodolfo Martins e Maurício Rocha, que fizeram a entrega dos certificados. Todos destacaram a importância da capacitação profissional para o sucesso no mercado de trabalho e parabenizaram a dedicação dos que concluíram o curso.   O curso de Técnicas em Montagem de Andaimes é uma das contrapartidas oferecidas pelo empreendimento para a região e faz parte do Subprograma de Formação de Obra, uma das 43 ações ambientais previstas no licenciamento da usina, através do qual são oferecidas 900 vagas em 40 turmas de nove cursos de qualificação profissional, desde outubro de 2015, para moradores dos cinco municípios de influência do empreendimento - Aperibé, Cantagalo, Itaocara, Pirapetinga e Santo Antônio de Pádua. 20161004_194002 20161004_194200 20161004_200052

whatsapp-image-2016-10-22-at-22-03-14

Olhares Em Foco mostra a beleza da região

Estimular a percepção da paisagem local e a maior interação entre os colaboradores da UHE Itaocara I foi o ponto de partida para Olhares Em Foco, a exposição de fotografias sobre temáticas da região de influência do empreendimento, organizada pelo Programa de Comunicação Social, voltada aos funcionários da usina. A exposição contou com palestra do repórter fotográfico Alaor Filho e premiação das melhores fotos.   Com júri formado por Carlos Borges Batista, presidente da Usina Hidrelétrica Itaocara S.A, Janice Caetano, diretora da Print Comunicação, e Alaor Filho, repórter fotográfico com mais de 25 anos de experiência nos principais veículos de imprensa do país, a mostra teve quatro vencedores; três escolhidos pelo júri oficial: Whendel Ferreira Pena, Marcela Magalhães Nogueira e Mayra Fuly Pinto, e um vencedor escolhido pelo voto dos colaboradores da usina: Cleci Biedacha.   Confira o resultado da exposição:   whatsapp-image-2016-11-03-at-11-14-50 whatsapp-image-2016-10-22-at-22-03-14 whatsapp-image-2016-10-22-at-22-03-13-1 whatsapp-image-2016-10-22-at-22-03-31 whatsapp-image-2016-10-22-at-22-03-11  whatsapp-image-2016-10-22-at-22-03-16-1   whatsapp-image-2016-11-03-at-11-15-53-1 whatsapp-image-2016-11-03-at-11-14-51 whatsapp-image-2016-11-03-at-11-15-51 whatsapp-image-2016-11-03-at-11-15-58-1 whatsapp-image-2016-11-03-at-11-16-00

Arqueologia (31) (1)

UHE Itaocara I realiza exposição Arqueológica

A Usina Hidrelétrica Itaocara S.A. realiza neste mês de junho de 2016 a exposição Resgate Arqueológico na Área da UHE Itaocara I, nos municípios de Itaocara e Aperibé. A proposta é dar conhecimento à população sobre os resultados da primeira etapa das ações de resgate do patrimônio arqueológico na área de influência direta da UHE Itaocara I, realizadas no local onde será instalado o canteiro de obras da usina. A exposição acontece nos dias 21 e 22 em Itaocara (na sede da usina – Rua Marechal Floriano Peixoto, 152 – Jardim da Aldeia - Itaocara) e 23 e 24 em Aperibé (no Centro de Convenções Ataíde Faria Leite – Rua Prof. Honório Silvestre, 228, Centro, Aperibé), de 09 as 12 e de 14 às 17 horas.

IMG_0835

Mobilização contra dengue em Itaocara agita Calçadão

Parceria UHE Itaocara e Fiocruz promovem ações contra o Aedes Aegypti   Em mais uma edição, o dia de mobilização contra o mosquito Aedes aegypti, promovido pela Usina Hidrelétrica Itaocara S.A. em parceria com a Fundação Oswaldo Cruz em apoio às Secretarias de Saúde da área de influência do empreendimento, agitou o Calçadão do Centenário, no Centro de Itaocara, nesta terça-feira, 14 de junho. O Espaço Interativo – dedicado a esclarecer e informar a população sobre a importância de manter o combate aos focos do mosquito durante todo o ano – foi visitado por quase 300 pessoas durante todo o dia.   Sob a coordenação do professor e pesquisador Luciano de Toledo, da Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca (ENSP/Fiocruz), os pesquisadores Waldemir Vargas e Alexandre San Pedro contaram com o apoio de Edmar Siqueira Lobi, da Secretaria de Estado de Saúde do Rio de Janeiro, para a ação educativa que trouxe para o Calçadão lupas e microscópios, através dos quais o visitante pode conhecer as características do Aedes aegypti, sua forma e fases de vida, além de receber informações de como combater os criadouros de larvas.   À noite, com a presença do secretário municipal de Saúde de Itaocara, Ney Trindade Júnior, a equipe da Fiocruz realizou a palestra “Desafios atuais para o controle da dengue, chikungunya, e zika na área de influência da UHE de Itaocara”, no auditório do Colégio Municipal Nildo Caruso Nara. Ao final, os pesquisadores responderam as perguntas da plateia e esclareceram dúvidas sobre as doenças transmitidas pelo mosquito.   IMG_0835 IMG_0856 IMG_0885 IMG_0886 IMG_0904

IMG_0603

Mobilização contra dengue movimenta Pirapetinga

O dia de mobilização contra o mosquito Aedes aegypti, campanha promovida pela parceria Usina Hidrelétrica Itaocara S.A. e Fundação Oswaldo Cruz em apoio às Secretarias de Saúde da área de influência do empreendimento, movimentou o centro de Pirapetinga - MG, nesta terça-feira, dia 31 de maio. Com duas tendas instaladas na Praça Santana, durante todo o dia, o Espaço Interativo atraiu cerca de 600 visitantes.   Com o objetivo de informar e esclarecer à população sobre a necessidade de manter a vigilância contra os criadouros do mosquito durante o ano inteiro, o Espaço Interativo tem execução técnica da Fiocruz, sob a coordenação do professor e pesquisador Luciano de Toledo, da Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca/Fiocruz.   Em Pirapetinga, os pesquisadores Waldemir Vargas e Alexandre San Pedro contaram com o apoio de Edmar Siqueira Lobi, da Secretaria de Estado de Saúde do Rio de Janeiro, e da equipe de Vigilância Epidemiológica da Secretaria Municipal de Saúde de Pirapetinga. O evento também teve o apoio da unidade móvel da Companhia de Saneamento de Minas Gerais (Copasa), que disponibilizou água gelada para os visitantes. À noite, a equipe da Fiocruz realizou a palestra “Desafios atuais para o controle da dengue, chikungunya, e zika na área de influência da UHE de Itaocara”, na quadra do Colégio Municipal Coronel Ribeiro dos Reis, para cerca de 90 estudantes presentes.   IMG_0597 IMG_0627 IMG_0671 IMG_20160531_192402587 IMG_20160531_193157981

REFLORESTAMENTO-1024x819

UHE Itaocara I prevê o plantio de um milhão de árvores

A Usina Hidrelétrica de Itaocara prevê o plantio de um milhão de árvores da Mata Atlântica no entorno do reservatório e áreas próximas ao empreendimento. A recomposição da vegetação da região, tanto em áreas de proteção permanente quanto na formação de áreas de conservação ambiental, levará cerca de 10 anos. A informação foi transmitida pelo gerente ambiental da UHE Itaocara, Mário Trento, durante a entrevista coletiva de imprensa, realizada na última quarta-feira, dia 1º de junho, na sede da empresa, em Itaocara.   Durante a entrevista coletiva, Trento ressaltou os benefícios do Programa de Reflorestamento: recuperação de nascentes, proteção das margens do rio e a médio e a longo prazo, aumento do volume de água nos rios Paraíba do Sul e Pirapetinga. Como ganho indireto, as novas áreas verdes contribuirão para uma maior arrecadação dos municípios com a criação de áreas de conservação ambiental por meio do ICMS Verde.   Um outro programa que acompanha as atividades do de Reflorestamento é o de Resgate e Salvamento de Germoplasma, que fará a identificação e coleta das sementes, para formação de mudas nativas para o plantio. A expectativa é identificar viveiros na região, com capacidade para o volume de produção, que possam fornecer as mudas. O Programa de Reflorestamento é uma das 43 ações previstas no Projeto Básico Ambiental (PBA) da UHE Itaocara e faz parte do processo de licenciamento ambiental da usina, acompanhado pelo IBAMA.

IMG_0715

UHE Itaocara I garante que obra começa este ano

A Usina Hidrelétrica Itaocara S.A informou, ontem, dia 1º de junho, em entrevista coletiva para mídia da região noroeste, o adiamento do início das obras da UHE Itaocara, inicialmente previsto para o primeiro trimestre deste ano. Esta decisão foi necessária devido à complexidade das condições estabelecidas pelos agentes financeiros para obtenção dos recursos necessários para a construção do empreendimento. Independentemente deste fato, a UHE Itaocara S.A, reiterou, que vem trabalhando nas atividades pré-determinadas pelos órgãos oficiais, bem como no cumprimento de todas as obrigações legais, compromissos e acordos já firmados com a população, com o poder público local e com o Ibama. “Ainda este ano vamos iniciar as obras“, afirmou Luiz Carlos Amarilho, diretor da Usina.     Os programas e ações atualmente desenvolvidos pela Usina na região, como o Programa de Comunicação Social, Gestão Institucional, Estímulo à Participação da População, Formação de Mão de Obra, Acompanhamento das Famílias Atingidas, Monitoramento e Controle de Endemias, Resgate Arqueológico, Prospecção de Cavernas serão mantidos. A equipe técnica da Usina Hidrelétrica de Itaocara também permanecerá mobilizada em seu escritório em Itaocara (RJ) e no Posto de Atendimento Social (PAS), em Pirapetinga (MG).     Os canais de comunicação da Usina, como o telefone 0800 282 2974 e o e-mail contato@uheitaocara.com.br, permanecem disponíveis para esclarecimentos e sugestões.   IMG_0723 IMG_0745

Padua (2)

Fiocruz prepara diagnóstico sobre dengue

Pesquisadores das áreas de Vigilância Epidemiológica e Controle de Vetores da Fundação Oswaldo Cruz realizaram visitas às Secretarias Municipais de Saúde da área de influência da Usina Hidrelétrica Itaocara, com o objetivo de conhecer de perto os protocolos adotados por cada secretaria no combate ao mosquito Aedes aegypti.   De acordo com os pesquisadores que integram a equipe do professor Luciano Toledo, coordenador das ações pela Fiocruz, nesta fase da campanha o trabalho consiste em conhecer os bancos de dados de cada município para elaborar os diagnósticos relacionados às formas de controle do mosquito e também os cuidados no tratamento da dengue nos últimos dez anos (entre 2006 e 2015).   Os técnicos da Fiocruz explicaram ainda que no diagnóstico constarão dados sobre o histórico da contaminação por dengue em relação à distribuição temporal e territorial, identificação da sazonalidade, além de índices de contaminação por faixas etárias e sexo. A equipe também espera descobrir as principais semelhanças e diferenças de contaminação entre os municípios que, apesar da proximidade, podem revelar características pouco parecidas.   Os resultados deste estudo serão apresentados e discutidos no Workshop que acontecerá este mês, coordenado pela Fiocruz, e reunirá técnicos das áreas de epidemiologia e controle de vetores dos cinco municípios. A proposta é abrir o debate e propor novas práticas e técnicas que contribuam para uma redução dos casos de dengue, chikungunya e zika nos próximos anos.   Estas ações fazem parte da campanha realizada pela UHE Itaocara, com execução da Fiocruz, em parceria com as Secretarias Municipais de Saúde dos cinco municípios da área de influência do empreendimento (Aperibé, Cantagalo, Itaocara, Santo Antônio de Pádua e Pirapetinga), voltada ao combate do mosquito Aedes aegypti na região.   Aperibe Cantagalo (2) Itaocara (2) Itaocara (3) Pirapetinga (2)      

Lixo e reciclagem são temas da Semana do Meio Ambiente

Lixo e reciclagem são temas da Semana do Meio Ambiente - Clique para ver o informativo

Consórcio UHE Itaocara I vence leilão e iniciará obras da usina em 2016

Consórcio UHE Itaocara vence leilão e iniciará obras da usina em 2016 - Clique para ver o informativo

Usina Hidrelétrica Itaocara: novo projeto, menor impacto

Usina Hidrelétrica Itaocara: novo projeto, menor impacto - Clique para ver o informativo

UHE Itaocara entrega I ao IBAMA estudo de impacto ambiental

UHE Itaocara entrega ao IBAMA estudo de impacto ambiental - Clique para ver o informativo

Fale Conosco




Mensagem

 

 

*Todos os campos são obrigatórios